domingo , 28 maio 2017
Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Início / Notícias / A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGRÁRIO E DO ESTUDO DO DIREITO AGRÁRIO EM GOIÁS
Direito Agrário - Série "Brasil dos Agraristas"

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGRÁRIO E DO ESTUDO DO DIREITO AGRÁRIO EM GOIÁS

por Cláudio Grande Júnior.

Qualquer pessoa que conheça um pouco sobre Goiás não tem dúvidas da enorme importância do setor agrário para o Estado e, consequentemente, da necessidade de se avançar cada vez mais com os estudos em direito agrário.

Isso é objetivamente perceptível nos dados definitivos de 2013, nos quais o Estado de Goiás consta como o maior produtor nacional de tomate e sorgo; o 2º de melancia; 3º de bovinos, girassol, cana-de-açúcar, algodão, feijão e milho; 4º de leite e soja; 5º de suínos; 6º de aves, trigo e batata inglesa; 7º de ovos; 8º de arroz; e 10º de amendoim.[1] O impacto na balança comercial é inegável, com saldos positivos anuais superiores a dois bilhões de dólares, entre 2012 e 2014,[2] graças principalmente às exportações dos complexos de soja e de carne, que, juntos, representaram mais da metade das exportações goianas.[3]

Interessante que, superficialmente, os números do Produto Interno Bruto (PIB) goiano não traduzem o sentimento geral da importância do setor agrário para Goiás. Os dados do PIB de Goiás mostram, à primeira vista, um setor agrário menor do que ele realmente é. Entre 2010 e 2013, a representação do setor agropecuário no PIB de Goiás oscilou de 11,1% a 12,3%, enquanto a indústria teve participação de 28,3% a 25,8% e o setor de serviços de 60,5% a 61,8%.[4] Os percentuais apontados quanto ao setor agropecuário abrangem atividades florestais e pesqueiras, de apoio à agricultura e à pecuária e de pós-colheita, esta no que se refere à armazenagem e conservação.[5] Só que, na verdade, o setor agrário é maior do que isso, porque compreende também outras atividades nas quais ela se mescla com os setores industrial e/ou de serviços, mas mantendo sua preponderância, como em parte da agroindústria, que é uma área já grande e consolidada, bem como em outras ainda incipientes, mas em franca expansão, como o turismo agrário. E, mesmo quando não mantem sua preponderância, as atividades agrárias continuam importantes, porque abastecem boa parte das atividades industriais e de serviços de Goiás, destacando-se as indústrias extrativas e de transformação e os serviços de alimentação. Na mão oposta, boa parte dos serviços de transporte, armazenagem, intermediação financeira e de seguros são voltados para o setor agrário.

Evidentemente que as relações entre as pessoas aí envolvidas são reguladas pelo direito. Contudo, os ramos civil e empresarial do direito não conseguem disciplinar satisfatoriamente as dinâmicas questões ligadas às atividades agrárias. Nem o direito econômico, porque as atividades agrárias guardam particularidades, principalmente em razão de dependerem de ciclos biológicos e se sujeitarem a riscos climáticos. Ademais, a normatização das atividades agrárias compreende também questões muito peculiares sobre problemas sociais ligados à (in)acessibilidade à terra e devido aproveitamento desta, bem como sobre o sistema agroalimentar, abrangendo a segurança alimentar e a soberania alimentar, inclusive no que tange à proteção, principalmente em face do mercado, de valores humanos, culturais, históricos, arqueológicos, paisagísticos e ambientais. Sendo assim, são nas pesquisas em direito agrário que se formulam as soluções jurídicas mais apropriadas para questões como as de: (i) destinação de terras públicas e devolutas e de proteção dos direitos de índios e quilombolas sobre terras que estes tradicionalmente ocupam; (ii) eventual necessidade de reformulação da estrutura fundiária, com a redistribuição de terras que não cumprem sua função social; e (iii) desenvolvimento agrário, abrangendo o social e econômico, de todos os agroprodutores, sejam camponeses, familiares, pessoas jurídicas empresárias, pequenos, médios ou grandes, sem sacrifício do bem estar dos trabalhadores rurais e sem destruição ambiental, pois procurando sempre a redução das desigualdades regionais e sociais e a sustentabilidade das atividades agrárias.

Os conflitos que dizem respeito ao direito agrário têm sempre algum impacto, maior ou menor, sobre toda a população, porém esta não se dá conta perfeitamente disso, porque a grande maioria das pessoas não figura formalmente como parte em processos judiciais sobre litígios agrários, ao contrário do que acontece normalmente no direito civil e no direito do consumidor, por exemplo. Consequentemente, muitos profissionais e estudiosos da área jurídica desdenham o estudo e pesquisa do direito agrário. Mas, como lembra o Prof. Darcy Walmor Zibetti, estudar direito agrário no Brasil é preciso[6] e, conforme demonstrado acima, em Goiás é inevitável.

Resultado de imagem para claudio grande junior
Cláudio Grande Júnior. Mestre em Direito Agrário pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Procurador do Estado de Goiás. Membro da União Brasileira dos Agraristas Universitários- UBAU.

—–

Notas:

[1] INSTITUTO MAURO BORGES. PIB Goiás 2010-2013, p. 24. Disponível em:

<http://www.imb.go.gov.br/pub/pib/pib2013/pibgo2013.pdf>. Acesso em: 21 mai. 2016.

[2] http://www.imb.go.gov.br/pub/Godados/2014/6.8_tabela01.htm

[3] http://www.imb.go.gov.br/pub/Godados/2014/6.8_tabela04.htm

[4] INSTITUTO MAURO BORGES. PIB Goiás 2010-2013, p. 19. Disponível em:

<http://www.imb.go.gov.br/pub/pib/pib2013/pibgo2013.pdf>. Acesso em: 21 mai. 2016.

[5] Idem, p. 20.

[6] No Brasil: estudar direito agrário é preciso. UBAU, 2015. Disponível em: <http://www.ubau.org.br/site/no-brasil-estudar-direito-agrario-e-preciso/>. Acesso em: 21 mai. 2016.

 

Direito Agrário

Série “Brasil dos Agraristas”:

ROMARIZ, Cristiano. Rondônia no cenário nacional do agronegócio e o estudo do Direito Agrário. Portal DireitoAgrário.com, 06 mai. 2017.

HUMBERT, Georges. A Bahia agrária e a importância do estudo do Direito Agrário. Portal DireitoAgrário.com, 10 jan. 2017.

PUTTINI MENDES, Pedro. A importância do agronegócio e do estudo do Direito Agrário para o Estado do Mato Grosso do Sul. Portal DireitoAgrário.com, 09 nov. 2016.

GRANDE JÚNIOR, Cláudio. A importância do setor agrário e do estudo do Direito Agrário em Goiás. Portal DireitoAgrário.com, 08 nov. 2016.

DUARTE, Cássio Carneiro. O setor agrário no Estado do Pará e sua relação com o Direito Agrário. Portal DireitoAgrário.com, 07 nov. 2016.

Direito Agrário

Veja também:

– Uso de tecnologias é o principal fator de geração de riqueza no meio rural (Portal DireitoAgrário.com, 22/11/2016)

– Estudo indica que a concentração de renda também ocorre com pequenas fazendas (Portal DireitoAgrário.com, 22/11/2016)

– ZIBETTI, Darcy Walmor; QUERUBINI, Albenir. O Direito Agrário brasileiro e sua relação com o agronegócio. In: Direito e Democracia – Revista de Divulgação Científica e Cultural do Isulpar. Vol. 1 – n. 1, jun./2016, disponível em: <http://www.isulpar.edu.br/revista/file/130-o-direito-agrario-brasileiro-e-a-sua-relacao-com-o-agronegocio.html>.

Direito Agrário

* Para tirar eventuais dúvidas, fazer algum comentário, corrigir alguma falha no texto ou críticas, entre em contato com a Equipe do Portal DireitoAgrário.com pelo seguinte e-mail:  direitoagrario@direitoagrario.com

Leia também

Resumo e vídeos das palestras do I Simpósio Estadual de Direito Agrário, Ciências Rurais e Sustentabilidade

No dia 21 de março de 2017 ocorreu a abertura do I SIMPÓSIO DE DIREITO …