sábado , 23 janeiro 2021
Início / Notícias / Salmão geneticamente modificado é liberado para consumo humano pela FDA

Salmão geneticamente modificado é liberado para consumo humano pela FDA

“Depois de uma avaliação científica exaustiva e rigorosa, a Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, em sua sigla em inglês) chegou à decisão de que o salmão desenvolvido pela empresa AquAdvantage é tão seguro para comer como qualquer outro salmão do Atlântico que não foi geneticamente modificado, bem como também é tão nutritivo quanto.

A avaliação do salmão OGM pela FDA

Os cientistas da FDA avaliaram rigorosamente extensos dados apresentados pelo fabricante, AquaBounty Technologies, e outros dados analisados, para avaliar se o salmão AquAdvantage preencheu os critérios de aprovação estabelecidos por lei; a saber, segurança e eficácia. Os dados demonstraram que os genes inseridos mantiveram-se estáveis ao longo de várias gerações de peixes, que a carne do salmão GE é segura para ser comida por seres humanos e animais, considerando que a engenharia genética é segura para os peixes, sendo que o salmão atende a reivindicação do patrocinador sobre o crescimento mais rápido.

Além disso, a FDA avaliou os impactos ambientais de aprovar este pedido e considerou que a aprovação não teria um impacto significativo sobre o meio ambiente dos Estados Unidos. Isso porque as várias medidas de contenção a empresa irá utilizar nas instalações terrestres no Panamá e Canadá tornam extremamente improvável que os peixes possam escapar e estabelecerem-se em estado selvagem.

A rotulagem de alimentos que contenham ingredientes derivados de fontes geneticamente modificadas

Ao mesmo tempo, muitos consumidores também querem saber se seus alimentos ou ingredientes na sua alimentação é derivada de fontes geneticamente modificadas. Embora a lei não exija que o alimento não contenha ingredientes provenientes deste salmão para ser rotulado como GE, a FDA reconhece que muitos consumidores estão interessados ​​nestas informações e alguns fabricantes de alimentos vão querer fazer a distinção.

A FDA está lançando dois documentos de orientação que detalham o pensamento atual da agência sobre a rotulagem – um projeto de orientações para a rotulagem de alimentos derivados de salmão do Atlântico que tenha ou não sido geneticamente modificado e de uma orientação final para a rotulagem de alimentos que tenham ou não derivados de plantas GE para ajudar os fabricantes que desejem voluntariamente fazer a distinção na rotulagem dos seus produtos alimentares.

Ambos os documentos de orientação explicar melhor o pensamento da FDA sobre a forma de tornar mais fácil para os consumidores em saber se um alimento foi produzido usando a engenharia genética ou não’, diz Felicia Billingslea, diretora da Divisão de Alimentos, rotulagem e normas da FDA.

O público é convidado a apresentar comentários sobre este projeto de orientação. Os consumidores também podem aprender mais sobre como um alimento é produzido para entrar em contato com o fabricante, diz Billingslea”.

Fonte e imagem: FDA.


Conforme noticiado pela Agência Fapesp:

“A empresa AquaBounty Technologies começou a desenvolver o peixe há 20 anos. É um salmão do Atlântico (Salmo salar) geneticamente modificado que cresce duas vezes mais rápido que os espécimes utilizados em criações de cativeiro. Em vez de três anos, o peixe chega ao tamanho para a comercialização em até 18 meses e consome de 20% a 25% menos ração. Em um comunicado, a FDA afirma ser o salmão geneticamente modificado tão seguro e nutritivo como o tradicional. A engenharia genética para tornar o salmão mais produtivo utilizou dois genes de dois outros peixes. Um, relativo ao hormônio de crescimento do salmão Chinook (Oncorhynchus tshawytscha), do oceano Pacífico, que cresce bem mais que o do Atlântico, e outro gene – da enguia Zoarces americanus, dos mares do Noroeste Atlântico – que codifica um promotor de proteínas anticongelamento que deixa o salmão geneticamente modificado crescer no inverno”.


Para saber mais, acesse a página da empresa AquaBounty Technologies, clicando aqui

Leia também

Lei da Política Agrícola: base jurídica do Agronegócio

por Frederico Buss.   O artigo 73 do Estatuto da Terra – Lei nº 4.504/64 …