quinta-feira , 22 fevereiro 2018
Download http://bigtheme.net/joomla Free Templates Joomla! 3
Início / Notícias / A água e a atividade agrária: preservar para seguir produzindo

A água e a atividade agrária: preservar para seguir produzindo

“Considerada patrimônio do planeta, a água é imprescindível à vida e fundamental para o desenvolvimento humano. Sem ela, as sementes que são cultivadas no solo não germinam, não viram plantas, não dão fruto e, assim, não produz alimentos para o país. Desde 1992, a Organização das Nações Unidas (ONU) vem chamando a atenção para a escassez do recurso hídrico. Hoje, estima-se que em todo mundo mais de 600 milhões de pessoas ainda não têm acesso a uma água limpa e segura. E para atentar para sua importância, é celebrado nesta terça-feira, 22 de março, o Dia Mundial da Água.

Segundo o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos (WWDR 2016), divulgado hoje, entre 2011 e 2050, a população mundial terá um crescimento de 33%, aumentando de 7 bilhões para 9,3 bilhões de pessoas, enquanto a demanda por alimento aumentará em 70%. Se, em todo mundo, a agricultura é responsável por 70% do total do consumo da água doce, é fundamental preservar esse recurso, conforme aponta o estudo.

‘A água, assim como o ar, é fundamental para as nossas vidas e de todos os seres vivos, para preservar a biodiversidade e os ecossistemas. A terra é a guardiã das águas, é de onde vêm as nascentes, ficam os lençóis freáticos e correm os rios. Assim, para preservarmos a água, é preciso discutir também a terra e a função social que ela tem’, observa o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, ao falar sobre esse importante recurso natural.

Fundamental para a produção

Para o assentado da reforma agrária, Francisco Evanildo de Melo, 36 anos, a água representa ‘liberdade para produzir e viver melhor’. Desde pequeno, ele aprendeu a tirar o sustento da terra, convivendo com longos períodos de estiagem, no Semiárido brasileiro. Assim, ainda jovem, descobriu o valor que o recurso hídrico tem.

‘Já passamos por situações bem difíceis. Na época de seca, a gente acaba apanhando muito, principalmente em um terreno arenoso como o nosso’, afirma. Parte da produção dele, que é cultivada em parceria com a esposa, no município de Caraúbas (RN), acompanha o calendário climático. ‘Tenho grãos, como o sorgo e o feijão, que planto como sequeiro. Como a chuva não veio dentro do esperado, acabamos perdendo, recentemente, todo o milho que plantamos’, conta.

Há quase três anos, Francisco viu a vida e a produção mudar. Ele foi um dos beneficiários do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA). Com a cisterna calçadão, que comporta até 52 mil litros de água ele mantem a casa, a criação de animais de pequeno porte, uma horta e o cultivo de fruteiras, além da apicultura – trabalho de onde vem o principal sustento da família.

‘A água representa vida. Quando o agricultor acessa esse recurso, ele é capaz de fazer grandes produções e passa a ter mais dignidade. Hoje eu posso dizer que tenho água para trabalhar uns seis meses’, comemora. Mas não é só ter água, é preciso preservar para não faltar, como ensina o assentado.

‘Temos um sistema de Bioágua. Da cisterna separo um tanto de água para consumir em casa, para tomar banho e lavar as vasilhas. Toda essa água utilizada não é desperdiçada. Ela é reaproveitada para aguar as fruteiras e as hortaliças’, comenta.

Apicultura

Em um ano normal, as dez colmeias ativas do agricultor chegam a produzir 400 quilos de mel. ‘A apicultura é a melhor alternativa para a seca, porque ela é de rápida produção. A gente coloca água, comida para que elas possam produzir, mesmo quando o clima não ajuda’, explica.

Dia da água

O Dia Mundial da Água foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1992. Na época, o organismo internacional divulgou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que contém dez artigos que preveem o recurso hídrico como patrimônio do planeta; que o equilíbrio e o futuro do mundo dependem da preservação da água e de seus ciclos; que a água não deve ser nem poluída, nem envenenada; entre outros”.

Fonte: MDA, 22/03/2016.

Confira aqui o relatório divulgado nesta terça-feira (22/03/2016) pela Unesco.


Direito Agrário

Abaixo, vídeo do Conexão Ciência, onde o pesquisador da Embrapa Frederico Durães fala acerca de técnicas de irrigação e uso racional da água na agricultura:

Direito Agrário

Veja também:

– Sistema de irrigação permite colheita de 1 safra a mais por ano (Agrolink, 29/03/2016)

Leia também

“REFIS” do FUNRURAL: o que fazer?

por Álvaro Santos. A colheita já se iniciou no Sudoeste Goiano, um tanto atrasada em …